Resenha: Infinito em Pó

PenaPenaPena

Saiba antes de ler: não sou crítico literário nem detentor da verdade absoluta. O texto abaixo relata as impressões que tive após a leitura deste livro e não traz quaisquer revelações quanto ao enredo.

Escrito pelo premiado autor mineiro Luís Giffoni, este Infinito em Pó é uma ficção científica cuja proposta difere bastante do que normalmente se encontra em narrativas do gênero. O livro trata da extensa viagem de uma espaçonave gigantesca, capaz de preservar várias gerações de seus tripulantes, rumo ao sistema Alpha Centauri, o mais próximo do nosso sistema solar.

A ideia de reunir a elite intelectual, científica e artística de diversas partes de uma Terra unificada (mas, verdadeiramente, à beira de um colapso) e despachá-la numa missão espacial milenar sem garantias de sucesso é interessante, ainda que pouco inovadora. Contudo, a história é muito bem conduzida pelo autor e o leitor mais afoito que tirar conclusões precipitadas das páginas iniciais certamente se surpreenderá no final.

Pontuada por referências e especulações científicas complexas, a narrativa é de caráter, essencialmente, psicológico; isto é, o autor concentra seus esforços nos personagens, em seus anseios e dramas pessoais, que acabam por moldar suas perspectivas sobre a viagem que empreendem e o meio em que vivem. Outros aspectos predominantes na narrativa incluem o elemento sexual (“Sexo é o combustível desta nave”) e as intrigas políticas.

A história é desenvolvida através das reflexões e dos pontos de vista de quatro personagens: Shiva Ramanujan,  o comandante da missão, e seu filho Nima Prajma; Daedalus O´Curry, o piloto alcoólatra (!); Mira Ceti, a cientista ninfomaníaca; e Aurélia, esposa do comandante, a quem menos páginas são dedicadas. Há um quinto personagem que está quase sempre presente nas reflexões dos demais e cujas reflexões enriqueceriam ainda mais a história, tendo em vista que o mesmo é uma peça chave para sua conclusão.

Pode-se questionar a necessidade de tal fragmentação da narrativa, mas, particularmente, não consigo imaginar esta história sendo contada de outra maneira. A quase ausência de diálogos, porém, pode incomodar ocasionalmente. E ainda que seja interessante ver os acontecimentos pelos olhos de terceiros, considero ainda mais enriquecedor ver os diferentes pontos de vista colidindo na interação entre os personagens. Em certos pontos a leitura se desenvolve na terceira pessoa, mas esta transição surge súbita e forçadamente para o leitor, já habituado até ali às impressões da primeira pessoa.

O desfecho, ainda que interessante, deixa a desejar por ocorrer num ritmo muito vertiginoso, diferentemente daquele experimentado ao longo da maior parte do livro. Apesar disto, Infinito em Pó é uma agradável e surpreendente ficção científica, proporcionando uma experiência de entretenimento enriquecedora. Excetuando-se a conclusão apressada e as súbitas mudanças da pessoa narrativa, o livro foi muito bem elaborado e concedo 3 penas-tinteiro (estrelas) para Infinito em Pó.

E esta é a humilde opinião de um escriba.

Nota: enquanto escrevia esta resenha ocorreu-me comparar Infinito em Pó ao popular anime japonês Evangellion, não por quaisquer semelhanças de enredo (longe disso), e sim porque este enfoca, essencialmente, as relações e dramas humanos, mas temperado com boas doses de ficção científica e ação. Fica a dica.

Para saber mais:

  1. Luís Giffoni no Facebook: perfil do autor na rede social; acessível somente aos amigos.
  2. Editora Pulsar: selo próprio do autor pelo qual publicou a maioria de seus livros; informações sobre Giffoni e suas obras, contato e pedidos.
  3. O maravilhoso maluco de BH: entrevista em texto e áudio concedida pelo autor à revista digital Dom Total em 2009.
  4. Romance: Infinito em Pó: artigo da Folha de São Paulo publicado à época de lançamento do livro; disponível apenas para assinantes UOL ou Folha.com.

Continue a escrever aqui.

Uma resposta para Resenha: Infinito em Pó

  1. […] Infinito em Pó: minha resenha sobre esta obra do escritor mineiro Luís Giffoni. […]