Resenha: O Código da Inteligência

Pena

Saiba antes de ler: não sou crítico literário nem detentor da verdade absoluta. O texto abaixo relata as impressões que tive após a leitura deste livro e não traz quaisquer revelações quanto ao enredo.

Augusto Jorge Cury é um escritor brasileiro de renome. Considerado o maior sucesso comercial de 2005 pelo jornal Folha de S. Paulo, o autor foi listado diversas vezes entre os campeões de vendas, tornando-se conhecido mesmo por quem nunca leu um de seus inúmeros livros.

Particularmente, eu nunca me interessei pelos textos de Cury por considerá-los literatura de autoajuda, a qual não me agrada. Contudo, tendo sido presenteado por uma amiga com O Código da Inteligência, optei por deixar o preconceito de lado e dar uma chance ao autor.

Ignorando as informações da capa, típicas de um livro de autoajuda, eu surpreendi-me ao ler no prefácio que o Cury é “psiquiatra, pesquisador de psicologia, autor de uma das teorias mais disseminadas sobre o funcionamento da mente”. Nutri, assim, a expectativa de que a obra apresentaria fundamentos científicos, o que a diferenciaria tremendamente de outras do tipo.

Afora introdução e conclusão, o livro divide-se em três partes: os cinco capítulos iniciais são dedicados à Inteligência ou Psicologia Multifocal, teoria desenvolvida por Cury ao longo de mais de vinte anos “sobre o funcionamento da mente, a construção de pensamentos e o processo de formação de pensadores”; a segunda parte aborda, separadamente, cada uma das 4 armadilhas da mente que impossibilitam decifrar os códigos da inteligência; finalmente, a terceira parte trata dos códigos em si.

A abordagem da Inteligência Multifocal é o que o livro tem de mais interessante. Os conceitos de Registro Automático da Memória (RAM), Síndrome do Pensamento Acelerado (SPA) e outros me pareceram plausíveis (cientificamente) e familiares; senti-me como se já tivesse tido contato com estes antes.

Todavia, as outras partes do livro minguaram meu interesse e intensificaram a sensação de ter em mãos apenas mais um livro de autoajuda. A forma como o texto apresenta tópicos como conformismo e medo do reconhecimento de erros, por exemplo, não se diferencia em nada do modo como estes são abordados em diversos outros autores daquele tipo de literatura. Tudo aqui é lugar-comum, simplório e genérico demais para um pretenso livro de ciência aplicada.

É evidente que Cury se propõe a utilizar uma escrita adequada ao público leigo – recorrendo, inclusive, a múltiplas analogias – para explicar e exemplificar suas teorias. Contudo, não há (ou não fui capaz de identificar) qualquer fundamento científico ali; não há citações, referências a trabalhos de terceiros. O autor se limita a citar personalidades históricas como Freud ou Jung, muitas vezes utilizando-as como exemplos de suas teorias.

Por outro lado, frases de efeito encontram lugar ao longo do livro, e ainda que se apresentem como construções literárias belas e momentaneamente inspiradoras, estas se revelam demasiadamente vazias ou subjetivas – outro exemplo típico de literatura de autoajuda. Fosse este um livro de ciência aplicada como defende o autor, eu esperaria, no mínimo, técnicas ou exercícios mais práticos, mais objetivos.

Pode-se argumentar que o livro assim se apresenta por ser a psicologia uma ciência humana, não exata. Desconheço qualquer fundamento de psicologia, nada sei sobre suas metodologias ou aplicações no cotidiano, porém, eu sei que, como ciência, esta também requer o mínimo de fundamento em pesquisas científicas – dar-se-á, assim, algum crédito ao assunto proposto. Em outras palavras, deveria haver algum esforço do autor para demonstrar algum rigor científico no texto, sem limitar-se somente a apresentar uma bibliografia após a conclusão.

O modo como o autor se repete em diversos momentos também prejudica a leitura, assim como sua constante autopromoção; Cury parece sugerir que a leitura de seus outros livros é imprescindível para que se compreenda melhor o tema deste – corrijam-me se eu estiver enganado, mas creio que nem todos abordam os mesmos assuntos.

De início, no primeiro capítulo, Cury defende que seus livros “são erroneamente classificados como autoajuda” e que há “gritantes diferenças entre um livro de autoajuda e um livro de ciência aplicada”. Infelizmente, neste caso, isto não corresponde à realidade.

Com um texto e exercícios excessivamente subjetivos, repleto de frases de efeito vazias, e sem fundamentação científica aparente, O Código da Inteligência é, sim, uma obra de autoajuda. Assim, eu concedo somente 1 pena-tinteiro (ou estrela) para O Código da Inteligência.

E esta é a humilde opinão de um escriba.

Notas: Augusto Cury é uma figura inusitada e polêmica. Ainda que seja um sucesso indiscutível de vendas, seus livros e teorias são criticados por profissionais e estudiosos de psicologia por apresentarem pouco ou nenhum rigor científico.

O autor também é famoso por sua imodéstia (certa vez afirmou que sua teoria revolucionará a humanidade, sendo tão complexa que poucas pessoas conseguem compreendê-la) e por suas declarações infundadas (ele já defendeu que a terapia multifocal é capaz de curar o autismo).

Eu recomendo a leitura dos textos indicados a seguir; estes apresentam os pontos de vista de profissionais do ramo sobre a figura de Augusto Cury, bem como algumas polêmicas envolvendo o autor.

Para saber mais:

  1. Augusto Cury: site oficial do autor; saiba mais sobre o mesmo, seus livros, projetos, agenda e deixe um recado para o mesmo.
  2. @Augustocury: siga o autor no Twitter e acompanhe o que ele tem a dizer.
  3. Sucesso comercial: artigo publicado pela Folha de São Paulo em 2005 sobre o autor e seu trabalho.
  4. Mestre da imódestia: artigo polêmico publicado pela revista Veja em 2006 sobre o autor e seu trabalho; várias de suas pérolas são citadas.
  5. Guru renegado: artigo publicado pela revista Veja em 2009 sobre Cury ser o guru de Marina Silva, candidata à presidência na época.
  6. Literatura de autoajuda: texto excelente do psicólogo Adriano Facioli sobre autoajuda e Augusto Cury publicado no portal RedePsi.
  7. As razões da auto-ajuda: outro excelente texto sobre autoajuda publicado no editorial de educação do portal Terra.

Continue a escrever aqui.

2 respostas para Resenha: O Código da Inteligência

  1. Ei T.! Eu li esse livro. Achei o Augusto Cury um pouco repetitivo no que dizia. Mas posso dizer que me ajudou bastante a encarar algumas situações que estava vivendo de forma positiva. Sim, valeu a leitura.

    Vale dizer que o Cury tem uma sensibilidade incrível e pelo modo com que trata religião, personalidade e valorização da vida, ficam apenas os meus aplausos e admiração por fazer um trabalho que soma na vida das pessoas. Sim, ele contribui pra uma sociedade melhor.

    Parabéns pelo blog. Sua escrita é otima! Espero vê-lo na Faculdade de Letras em breve!

    • Faaaala, Felipão!

      Como escrevi na resenha, senti-me inspirado por diversas passagens do livro durante a leitura, mas quando fiz uma análise mais crítica do texto eu percebi o quanto ele é subjetivo e como o efeito que transmite é efêmero.

      De qualquer modo, isto foi comigo. Lembro-me de ter lido em algum lugar que se algo faz bem ao indivíduo então não há porque abrir mão daquilo.

      Obrigado pelos elogios e pela visita. Espero vê-lo mais por aqui. Quanto à Faculdade de Letras… bem, digamos que isto ainda não está nos planos. Mas quem sabe?

      Abração!