Resoluções Revistas – Balanço de 2012

Repleto de bênçãos, conquistas, momentos especiais e histórias compartilhadas; assim foi o ano de 2012 para mim. Impossível estar mais feliz com um saldo tão proveitoso. É gratificante constatar as influências positivas da escrita nos últimos dozes meses desta montanha-russa chamada vida.

Esse foi um tempo decisivo; abracei meu lado escritor e, como tal, comprometi-me com algumas resoluções. Agora, na aurora de um novo ano, é chegado o momento de rever metas, refletir sobre o que foi cumprido ou não, e compor novas diretrizes para um promissor 2013.

Um bom ano

Em 2012, tomei para mim seis compromissos e compartilhei-os aqui com os fieis leitores. A razão era materializar minhas aspirações para que não se perdessem no rol das resoluções que nunca são cumpridas. Agora é hora de ver como me saí. Vamos lá?

  • Estudar e aperfeiçoar o uso do tempo      

    O tempo é o que fazemos dele. Graças a uma radical mudança de atitude e ao uso de uma metodologia de gerenciamento do tempo, 2012 foi muito mais produtivo que o ano anterior. Escrever não é mais um mero passatempo e se tornou tão importante para mim quanto família e amor.

  • Determinar horário e local para escrever     

    Sou mais produtivo de manhã. Vez por outra, sob uma súbita inspiração, a tarde dá bons resultados. Contudo, a noite é um período perdido. Após o trabalho, a mente, mesmo fervilhando de ideias, recusa-se a fazer mais do que registrá-las sem esmero.

    O local é irrelevante, desde que não haja barulho nem interrupções; quando inspirado, estes não são problema, senão, um alfinete caindo no vizinho do outro lado da rua já é uma grande perturbação.

  • Escrever por 21 dias     

    O objetivo era fixar o hábito de escrever num mesmo horário e local, ou seja, assumir a postura de um verdadeiro profissional.

    Ainda que tenha escrito com maior frequência que em 2011, não consegui manter o ritmo ininterrupto que esperava, nem mesmo durante minha participação no Mês (Inter)Nacional de Escrita de Romances (do inglês National Novel Writing Month ou NaNoWriMo) – dos 30 dias previstos, eu escrevi durante 23, e destes somente os últimos 17 foram seguidos.

  • Experimentar outro gênero     

    Deixando um pouco de lado a fantasia medieval, meu gênero favorito, eu enveredei por gêneros tão diversos quanto horror, erótico, policial. Alguns textos foram publicados no blog (vejam a seção Histórias), mas a maioria permanece inédita.

    Há ainda oito contos frutos da minha participação no NaNoWriMo que serão revisados antes que eu tenha coragem de disponibilizá-los aos leitores.

  • Ser mais social     

    Limitei-me a acompanhar alguns sites sobre escrita, mas não interagi tanto com seus autores quanto esperava, em parte por ter de optar em dar mais atenção à escrita e ao seu estudo.

    No entanto, por intermédio do projeto “7 coisas que aprendi”, iniciado em parceria com Alexandre Lobão, eu travei contato com escritores diversos e pude aprender bastante com seus depoimentos (vejam a seção Aprendiz de Escritor).

  • Recrutar leitores pessoais     

    Tive dificuldades para encontrar leitores críticos. Não queria pessoas próximas demais cujas críticas fossem resguardadas, nem totais desconhecidos que pudessem apropriar-se de meu trabalho (medo tolo, eu reconheço).

    Acabei encontrando três leitores, dos quais só um é fixo – como verdadeiro profissional das palavras, suas criticas sinceras (e cruéis) são exatamente o tipo de retorno de que preciso. Também criei mecanismos de avaliação dos textos publicados no blog; mesmo com uma participação ainda modesta, os leitores contribuem imensamente para minha formação como escritor.

O que esperar de 2013

Sou um espírito inquieto e ambicioso. Sim, o passado foi ótimo, mas o futuro pode (e deverá) ser ainda melhor. Os planos são muitos, por isso preciso refletir com calma sobre o que focar neste ano que se inicia. Falarei mais a respeito no próximo post, mas já adianto isto: este será o ano da profissionalização.

E vocês, aprendizes de escritor e fieis leitores, o que planejam para este novo ano?

Para saber mais:

  1. Resoluções de Escritor: reveja o post onde falo sobre o valor de assumir resoluções publicamente.
  2. O problema das resoluções de ano novo: texto interessantíssimo do Jornal do Empreendedor que aborda, inclusive, o problema dos livros de autoajuda. Recomendo a leitura.
  3. 5 resoluções de ano novo para escritores: reservar tempo para escrever, abraçar seu estilo de escrita, revisar enquanto escreve, sair da zona de conforto, e denominar-se escritor. Saiba mais neste interessante artigo no Writer’s Digest (em inglês).
  4. Quer escrever um livro? Defina suas metas: post tradicional onde o escritor Alexandre Lobão descreve seu processo de metas.
  5. Metas para uma nova escrita: Wilian Nascimento defende que é preciso ser cuidadoso ao estabelecer metas de escrita.
  6. TOP 10 Resolutions for Writers: as 10 resoluções de ano novo mais comuns assumidas por escritores (em inglês).

Continue a escrever aqui.

3 respostas para Resoluções Revistas – Balanço de 2012

  1. […] Resoluções Revistas – Balanço de 2012: post onde revejo as resoluções que foram ou não cumpridas. […]

  2. L. K. Otero disse:

    Aguardo ansiosamente por 2014, ano em que lerei seu primeiro livro, ainda que manuscrito (e The Winds of Winter, se tudo der certo). Crueldades à parte, espero continuar contribuindo para a sua obra.

    • T.K. Pereira disse:

      Tenho fé que em 2014 terá o que deseja, mas nem será preciso esperar tanto. Conto contigo para continuar seguindo comigo nesta jornada. Sempre.

      Abração,