7 coisas que aprendi – por Rafael Lima

Em uma iniciativa conjunta* entre os blogs Escriba Encapuzado e Vida de Escritor, T.K. Pereira e Alexandre Lobão convidam escritores para compartilharem suas experiências com os colegas de profissão, destacando sete coisas que aprenderam até hoje.  Não interessa se você é iniciante ou veterano, se escreve poesias, contos, romances ou biografias, envie sua contribuição para esta série de artigos!

Neste post, com a palavra, Rafael Lima, escritor publicado e publicitário carioca.

  1. Aprendi que o melhor conselho para quem deseja ser um escritor melhor é, de fato, o famoso “escreva e leia muito”.

  2. Aprendi que é necessário ter a paciência de um monge zen-budista, caso se queira ser publicado tradicionalmente.

  3. Aprendi que tentar viver do mercado literário brasileiro é difícil. E que tentar viver como escritor é loucura.

  4. Aprendi que o mercado literário brasileiro é tão cruel quanto sair à noite e não poder beber.

          

  5. Aprendi que a vida é longa demais para recomeços e curta demais para arrependimentos. Não aprendi isso só com os livros, mas eles ajudaram.

  6. Aprendi que o pretérito mais-que-perfeito é legal.

  7. Aprendi tudo isso da pior forma possível. Mas foi necessário.

Sobre o autor

Rafael Lima nasceu em 1986, é carioca, publicitário formado pela Puc-Rio, webdesigner e flamenguista de coração.

Autor dos livros Aura de Asíris – A Batalha de Kayabashi e Os Reis do Rio, também participou da coletânea Fantasias Urbanas, organizada por Eric Novello para a Editora Draco.

Rafael é fã de ficção especulativa em qualquer mídia. Seus autores favoritos são Alan Moore, Neil Gaiman e Rubem Fonseca.

Processo Criativo: no Universo Insônia

Site Oficial: www.rafaelglima.com

Site de Os Reis do Rio: www.osreisdorio.com

Site de Aura de Asíris: www.auradeasiris.com

Facebook: www.facebook.com/raglima

Twitter: @raglima

Skoob: sobre o autor

Veja a opinião de outros autores aqui e no Vida de Escritor!

* Projeto inspirado pela coluna “7 Things I’ve Learned So Far”, da revista Writer’s Digest.

Continue a escrever aqui.

Os comentários estão desativados.