7 coisas que aprendi: de escritores para escritores

No 100º post do Escriba Encapuzado, nada mais adequado que falar da série mais popular do blog.

Quando decidi me tornar um escritor, uma de minhas primeiras fontes de aprendizado foi o site americano Writer’s Digest (WD). Além das inúmeras dicas e conselhos publicados por lá, uma coluna regular despertou meu interesse.

Nela escritores convidados compartilhavam com os leitores 7 coisas que aprenderam ao longo de suas trajetórias. Lembro-me de pensar de pronto: por que não existe algo assim aqui no Brasil?

Aprendendo com casos de sucesso

É incrível o quanto se pode aprender com autores publicados, ainda que de outros países. O que mais me surpreendeu, porém, foi a disposição deles em escrever sobre tópicos uteis tanto para profissionais quanto para aspirantes – alguns até cedem cópias de seus livros para ser sorteado entre os comentaristas. Eis algo que não se vê todo dia em terras tupiniquins.

Não que seja impossível achar textos de valor semelhante por aqui. Eduardo Spohr e Raphael Draccon são dois exemplos de escritores de renome que já compartilharam muitos conselhos sábios. Há também podcasts literários como o Ghost Writer e o LiteratusCast cujos autores entrevistados tem muito a dizer. Depoimentos preciosos estão disponíveis também em livros como os da série Mistérios da Criação Literária.

Há muita coisa boa por aí, mas encontrá-las requer a dedicação e paciência de um mineiro (sacaram? :P). Enquanto eu me dedicava a esta laboriosa pesquisa, não podia deixar de pensar em como seria bom se houvesse um site que, como a coluna do WD, reunisse textos de diversos escritores em um só lugar, cada um compartilhando 7 coisas que teriam aprendido até aquele momento de suas vidas literárias.

Spohr dá dicas em seu site e leciona em curso de estrutura literária.

“Versão brasileira: Herbert Richers”.

Uma semente germinou e foi se desenvolvendo em minha mente: a criação de um acervo de contribuições, voltado tanto para aspirantes quanto para profissionais da escrita, onde todos pudessem trocar experiências e aprender uns com os outros. Nesta época eu já mantinha meu blog, Escriba Encapuzado, e pensei que poderia utilizá-los para dar vida àquela ideia.

Havia um problema: quem daria bola para um projeto tocado por um aprendiz de escritor, um mané cujo blog mal e mal tinha uns poucos contos e crônicas? Era preciso um parceiro, um escritor com mais experiência que desse maior credibilidade à coisa toda. Então, entrei em contato com Alexandre Lobão, autor cujo blog, o Vida de Escritor, era (e ainda é) também uma de minhas referências.

Alexandre é alguém muito receptivo, sempre aberto a dúvidas e disposto a ajudar aspirantes a escritor com seus posts repletos de dicas. Quando soube do projeto, ele topou sem hesitar e inaugurou a série com um texto fantástico. Assim nasceu o projeto “7 coisas que aprendi”.

Quem não gostaria de ser apadrinhado por um grande escritor?

Mais de 200 tópicos sobre ser escritor

O projeto ainda está em fase bem inicial, mas tem atraído cada vez mais interessados. Há 36 contribuições até o momento, algumas postadas no meu blog, outras no do Alexandre. Temos alguns planos ambiciosos, mas por hora estamos focando em centralizar as contribuições num único lugar – todas estão listadas na seção homônima no Escriba Encapuzado.

É importante dizer que toda contribuição tem seu valor, mesmo que o autor não tenha livros publicados. Um dos aspectos fascinantes do projeto é identificar-se com o desenvolvimento de colegas aprendizes. Outro é notar a recorrência de alguns tópicos, como a necessidade de se escrever regularmente, de ser persistente e paciente.

Também comuns são as dicas que tratam de métodos de escrita, da busca pela inspiração, do exercício da criatividade, do mercado editorial, das estratégias para conquistar leitores. Enfim, é possível encontrar de tudo nos textos da série; são pontos que fornecem uma visão ampla e diversificada dos caminhos do escritor.

Há textos que apresentam pontos de vista verdadeiramente únicos, como o do Diego Schutt, do excelente site Ficção em Tópicos (outra de minhas referências), Ananda Santos (que fala de tal “lei do prazer”) e Sara Farinha, a primeira a enviar uma contribuição de lá do outro lado do Atlântico.

Colegas escritores aprendendo uns com os outros.

Compartilhe sua experiência. Ajude a divulgar.

Com tamanha diversidade, é difícil não se identificar com algum colega de profissão (sim, a escrita deve ser encarada dessa forma). É importante dizer que, embora seja possível aprender com a experiência alheia, o caminho de cada escritor é único e só será descoberto à medida que for trilhado.

Tocar esse projeto tem sido uma experiência incrível e tem me permitido conhecer pessoas fantásticas – sou muito grato a todos os que já contribuíram.

Se você, leitor, tem em si algo de escritor deixo aqui meu convite para que contribua com o projeto “7 coisas que aprendi”. Caso também queira ajudar na divulgação, peço que leia esta breve explicação e utilize estes banners.

Aprendizes e escritores espalhados por aí, compartilhem com o mundo suas experiências, entrem em contato!

Para saber mais:

  1. Série 7 coisas que aprendi: página principal do projeto que lista todos os escritores que já contribuíram.
  2. O que é isso? Um meme? – breve explicação sobre o que o projeto “7 coisas que aprendi” NÃO é.
  3. Ajude a divulgar o projeto: algumas orientações e banners que podem ser utilizados livremente.
  4. Não perca a motivação – 10 dicas para escritores: minha tábua de mandamentos pessoais para os momentos de crise existêncial. :)
  5. 5 livros que ensinam a escrever: algumas obras em português que podem ser úteis aos escritores iniciantes.
  6. 7 things I’ve learned so far: coluna da Writer’s Digest que inspirou a versão nacional do projeto (em inglês).

Continue a escrever aqui.

7 respostas para 7 coisas que aprendi: de escritores para escritores

  1. isaac-sky disse:

    Excelente cara! Gostaria muito que isso fosse mais divulgado viu – quem sabe um dia eu faça a minha contribuição?😀

    • T.K. Pereira disse:

      Por que esperar, Isaac?

      Se você tem o hábito de escrever e está empenhado no sonho de entreter outros através de histórias, é bem provável que já tenha experiências para compartilhar.🙂

      Quanto à divulgação da série “7 coisas que aprendi”, dê uma conferida nesta página para saber como ajudar.

      Abraços.

  2. Gutto disse:

    Olá, Escriba!

    Ser um escritor é um sonho antigo, mas só recentemente arregacei as mangas e me pus a trabalhar para tornar isso realidade. Agora sou um aprendiz de escritor profissional!😉

    Desde o início de minha jornada senti falta de um ponto de encontro para aspirantes a escritores brasileiros. Há alguns blogs espalhados por aí, alguns são excelentes fontes de material e incentivo. É o caso daqui, do Escriba Encapuzado.

    Ainda assim, acho muito pouco. Assim, numa tentativa de preencher esse espaço lancei o Círculo de Escritores, o qual busca ser um lugar para discutir, conversar e aprender sobre o ofício da escrita.

    Há também um motivo egoísta: eu queria um lugar para interagir com outros (aspirantes a) escritores. Está tudo pronto: blog, fórum, wiki… Só falta uma coisa: gente. Mas espero que isso mude em breve.🙂

    Em todo caso, quero dizer que simpatizo com projeto “7 coisas que aprendi”. Além de ser uma fonte de aprendizado, serve como estímulo, pois nos faz perceber que há por aí pessoas como eu lutando para encher a tela com palavras (o que nem sempre é tão óbvio quanto deveria ser).

    Parabéns!

    P.S.: Embora eu não receba muitos visitantes, gostaria de colaborar na divulgação desse site, mas faltaram no texto os links para as explicações sobre como divulgar seus banners.

    • T.K. Pereira disse:

      Gutto,

      O primeiro passo rumo à realização do sonho é exatamente este: arregaçar as mangas e trabalhar.

      Fico feliz que considere meu humilde espaço como uma fonte de inspiração.🙂

      Acho muito válida a ideia do Círculo de Escritores, pois também sinto falta desse espaço para troca de experiências e conhecimento.

      Sugiro, porém, que vá com calma. É preciso paciência para tocar um projeto como o seu. Comece tentando encontrar escritores, profissionais ou aprendizes, em sua comunidade, pessoas próximas.

      É o que tenho tentado fazer: buscar essa aproximação com pessoas da região que compartilham o amor pela literatura.

      Também enriqueça seu espaço com mais textos interessantes como o “Não conte, mostre” e “Vale a pena reler um livro”.

      Que bom que queira contribuir com a divulgação da série “7 coisas que aprendi”.

      Dê uma conferida nesta página para saber como ajudar.

      Abraço e espero vê-lo mais por aqui.

    • isaac-sky disse:

      Gostei bastante da iniciativa cara! Eu tenho um projeto parecido; é um pouco mais voltado a RPG de mesa, mas possuímos um espaço para literatura também:

      http://heavenempire.forumeiros.com/forum

      Acho que já está me convencendo a te mandar as 7 coisas.😀