7 coisas que aprendi – por Rogério Pietro

Em uma iniciativa conjunta* entre os blogs Escriba Encapuzado e Vida de Escritor, T.K. Pereira e Alexandre Lobão convidam escritores para compartilharem suas experiências com os colegas de profissão, destacando sete coisas que aprenderam até hoje.  Não interessa se você é iniciante ou veterano, se escreve poesias, contos, romances ou biografias, envie sua contribuição para esta série de artigos!

Neste post, a contribuição do escritor publicado, pintor, desenhista, farmacêutico, professor e violonista, Rogério Pietro.

  1. Gramática e ortografia eu não aprendi em escolas, aprendi na prática, escrevendo muito, sempre e pesquisando todas as fontes.

  2. Criatividade não é um coelho que se tira de uma cartola, é uma qualidade que eu desenvolvi ao longo da vida e que depende de muita prática e sinceridade consigo mesmo.

  3. Sucesso não tem absolutamente nada a ver com qualidade. Faz sucesso quem investe pesado em propaganda, marketing e assessoria de imprensa. Ponto final.

  4. Qualidade não traz sucesso. Por mais que eu estude para melhorar minha escrita e meu estilo, e por mais que um livro que eu escreva tenha qualidade em todos os sentidos, isso não é garantia de sucesso. É garantia da minha satisfação pessoal em fazer bem feito.

  5. As grandes editoras são importadoras de livros. Aprendi a nunca desperdiçar meu tempo e recursos enviando um original para qualquer uma delas. Algumas nem sabem que existem escritores no Brasil.

  6. O mais importante é o escritor. De toda a cadeia produtiva de livros, desde o revisor, passando pelo editor, a gráfica, o distribuidor e o livreiro, o mais importante é o escritor, porque sem ele nada disso existiria. Um escritor continua sendo escritor sem a cadeia, mas a cadeia não existe sem ele.

  7. Aprendi que ainda tenho 7 milhões de coisas para aprender.

Sobre o autor

Rogério Pietro é um cientista que ama ficção. Coautor de livros técnicos e de artigos científicos nas áreas de biotecnologia e câncer, ele resolveu começar a escrever quando descobriu que suas ideias já não cabiam mais dentro dos balões das histórias em quadrinhos que ele fazia por diversão.

Além de projetos editoriais relacionados ao mundo da farmacologia (ele é farmacêutico, além de mestre em biotecnologia e doutor em ciência dos alimentos), Rogério publicou seu primeiro livro em 2008, como autor independente. Mais tarde, em uma feira do livro, uma editora viu sua obra e apostou no sucesso da proposta. Assim, foi lançada em 2011 a segunda edição de Gabriel Querubim e os Guardiões dos Sonhos, obra infanto-juvenil para gente grande.

Atualmente, o autor está preparando vários projetos literários do mundo da ficção-científica e da fantasia, aguardando aquele ponto de virada em que o trabalho passa do amadorismo para alguma coisa na qual vale a pena investir esforços. Teve um conto aceito para integrar a antologia Do Céu ao Inferno (Editora Crescente), a ser publicada em breve.

Quem quiser entender um pouco mais o que sai da cabeça dele, pode encontrar contos gratuitos, pinturas, filmes 3D e crônicas científicas em seu site pessoal.

Processo Criativo: no Universo Insônia

Blog do Autor: http://rogeriopietro.wordpress.com/

Gabriel Querubim e os Guardiões dos Sonhos: site do livro

Facebook: Perfil

Skoob: Perfil

Veja a opinião de outros autores aqui e no Vida de Escritor!

* Projeto inspirado pela coluna “7 Things I’ve Learned So Far”, da revista Writer’s Digest.

Continue a escrever aqui.

2 respostas para 7 coisas que aprendi – por Rogério Pietro

  1. Caras, eu descobri esse blog recentemente e simplesmente adoro essa sessão das 7 coisas que aprendi. Sempre há algo novo para aprender, sempre mais e mais. O blog é ótimo, não parem!