13 microcontos

25/10/2012

Como prometido, eis treze microcontos que publiquei em meu perfil no Twitter no passado. O leitor notará que há histórias de todos os tipos: fantasia, terror, ficção científica, contemporâneas. Algumas nasceram de modo inusitado (durante uma ida ao banheiro, por exemplo). Espero que gostem.

Continue lendo »


Contos para ler durante o cafezinho

19/10/2012

Imagine contar uma história em um único parágrafo. Este é um desafio ao qual se lançam os escritores de microcontos, gênero pouco difundido fora do universo digital da Internet. Topei com a primeira referência a esses há mais de um ano: em entrevista a um jornal, o escritor pernambucano Marcelino Freire almejava publicar mil contos no Twitter – cada um deles com não mais do que os 140 caracteres permitidos.

Continue lendo »


Conto: Paixão Rubra

12/10/2012

Adiante estava a deusa de meus delírios mais pervertidos. O corpo voluptuoso fulgurava como que envolto em chamas, o vestido a cair sobre sandálias que deixavam entrever pés delicados de unhas tingidas em sangue. Um rasgo generoso subia ao baixo ventre, revelando uma coxa farta e torneada, envolta numa segunda pele igualmente flamejante.

Continue lendo »


Conto: Tragédia

28/09/2012

Não sei bem como aconteceu, não me lembro. O mundo ao meu redor era lúgubre, cinzento, sinônimo de sofrimento e horror. Um tapete macabro de manchas e destroços estendia-se pela estrada úmida, conduzindo à forma arruinada do caminhão tombado.

O choque e a indignação se revelavam claramente nas faces de todos: moradores da região, motoristas que aguardavam a liberação do trânsito, membros das equipes de resgate. Somente eu tinha a expressão serena.

Continue lendo »


Conto: A Dama do Beco

10/08/2012

Caminhava pela estrada da solidão. Seguia sem destino, pé ante pé, cabisbaixo, enclausurado num aperto acolhedor de braços envolventes. Não notaria coisa alguma, ainda que houvesse o que notar. Por toda parte, silêncio e sombras, como numa noite sem luar, sem estrelas. Por um tempo indefinido, imperceptível, era ele em seu caminho.

Uma faísca de consciência deteve seus passos. Percebeu as trevas e um turbilhão arrasou-lhe o peito. Dúvidas brotaram em sua mente. Falou, gritou, mas não havia som. Em volta, nada que oferecesse respostas. Foi ao chão, trêmulo, recolhido na frágil proteção de um abraço. Era um homem em meio à imensidão do vazio.

Continue lendo »


6. Há muito mais a temer…

13/09/2011

Rarnar estava diante do ataúde de pedra. Enxergando claramente através da escuridão absoluta, os olhos amarelados contemplavam um cadáver inacreditavelmente bem conservado, envolvido por uma manta rústica. Reproduzido nesta, o emblema da maça-estrela respigando sangue identificava os restos mortais. Não havia dúvida de que realmente estava na Torre Alta.

Continue lendo »


5. Portas Abertas

29/08/2011

– Depressa, baixote, diga o que aprontou!
– Já disse que as portas caíram! Não foi minha culpa! Eu só esta-
Guinchos preencheram o ambiente. Atravessando o vazio deixado por uma das portas, uma turba de ratos encharcados surpreendeu a todos e correu freneticamente pelo lugar, metendo-se em frestas e buracos. Meldeau pisou e chutou os que se aproximaram demais.

Continue lendo »


4. Sombras e Desconfianças

22/08/2011

Chovia a cântaros e nenhum outro som ecoava no abrigo. O ar estava pesado e a luz indistinta da lamparina criavam sombras ameaçadoras. Sentados em cantos opostos, Taldor Fendeaço e Rhístel Sanguélfico trocavam olhares, buscando desvendar os pensamentos um do outro.

Continue lendo »


3. Encontro Inesperado

15/08/2011

Taldor encontrou as ruínas da torre momentos antes da tempestade desabar ruidosamente. Todavia, para seu desgosto, o local não fornecia proteção. A única alternativa era abrigar-se sob o outeiro onde a antiga construção fora erigida. Não desejava fazê-lo, mas percebeu que não tinha escolha quando os primeiros raios cortaram os céus.

Continue lendo »


2. Pelos Ermos Verdejantes

08/08/2011

Taldor Fendeaço interrompeu os passos para lançar um olhar preocupado para o céu. Um sol pálido se fez notar no oeste por trás de nuvens cinzentas. Um vento frio soprou através dos cumes gramados, carregando um aroma bem familiar ao jovem anão: chuva. O tempo mudara novamente.

Continue lendo »